terça-feira, 24 de abril de 2012

25 de Abril




Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
 

E livres habitamos a substância do tempo

Sophia de Mello Breyner Andresen

5 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
amiga, deixa-me, "adendar"
,
À sua passagem a noite é vermelha,
E a vida que temos parece Exausta, inútil, alheia. Ninguém sabe onde vai nem donde vem, Mas o eco dos seus passos Enche o ar de caminhos e de espaços E acorda as ruas mortas. Então o mistério das coisas estremece E o desconhecido cresce Como uma flor vermelha.
,
in-Sophia de Mello Breyner
,
conchinhas, muitas, deixo,
*

Sonhadora disse...

Minha querida

Um belo poema de Sophia...que essa madrugada nunca anoiteça.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

O Profeta disse...

Vem escutar a música da noite
Vem sentir a vida num piscar de olhos…

Bom fim e semana

Mágico beijo

Luiz Alfredo disse...

A madrugada silenciou
o tic-tac do relógio
e guardou o tempo
no ninho do cuco
passou que nem vi
o bem-te-vi que abriu
o dia com seu canto
belo poema poeta
que as madrugadas sejam
eternas e tragadas
por belo poemas assim...

Luiz Alfredo - poeta

Carlos Ramos disse...

Poderosas escolhas, nas quais me sinto e pressinto. Parabens