terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Em memória de Ary dos Santos

NÃO PASSAM MAIS

Em nome dos nossos braços
em nome das nossas mãos
em nome de quantos passos
deram os nossos irmãos.
Em nome das ferramentas
que nos magoaram os dedos
das torturas das tormentas
das sevícias dos degredos.
Em nome daquele nome
que herdámos dos nossos pais
em nome da sua fome
dizemos: não passam mais!

E em nome dos milénios
de prisão adicionada
em nome de tantos génios
com a voz amordaçada
em nome dos camponeses
com a terra confiscada
em nome dos Portugueses
com a carne estilhaçada
em nome daqueles nomes
escarrados nos tribunais
dizemos que há outros nomes
que não passam nunca mais!

Em nome do que nós temos
em nome do que nós fomos
revolução que fizemos
democracia que somos
em nome da unidade
linda flor da classe operária
em nome da liberdade
flor imensa e proletária
em nome desta vontade
de sermos todos iguais
vamos dizer a verdade
dizendo: não passam mais!

Em nome de quantos corpos
nossos filhos foram feitos.
Em nome de quantos mortos
vivem nos nossos direitos.
Em nome de quantos vivos
dão mais vida à nossa voz
não mais seremos cativos:
o trabalho somos nós.
Por isso tornos enxadas
canetas frezas dedais
são as nossas barricadas
que dizem: não passam mais!

E em nome das conquistas
vindas dos ventos de Abril
reforma agrária controlo
operário no meio fabril
empresas que são do estado
porque o seu dono é o povo
em nome de lado a lado
termos feito um país novo.
Em nome da nossa frente
e dos nossos ideais
diante de toda a gente
dizemos: não passam mais!

Em nome do que passámos
não deixaremos passar
o patrão que ultrapassámos
e que nos quer trespassar.
E por onde a gente passa
nós passamos a palavra:
Cada rua cada praça
é o chão que o povo lavra.
Passaremos adiante
com passo firme e seguro.
O passado é já bastante
vamos passar ao futuro.

(Ary dos Santos)
(O sangue das palavras)

sábado, 1 de janeiro de 2011

NOVO ANO COM LUZ E CONSCIÊNCIA


Os votos são meus
Mas a Vontade e Luta são tuas
Para
Que alcances tudo o que desejas
Que melhores o que de mau encontraste
Que te renoves para ajudar a renovar.
Na vida
Existe o que a Vida nos dá
O que nela buscamos
Quando nos encontramos na verdade.
Não tenho mais palavras
Todas foram inventadas
Apenas possuo
De novo
O que na hora encontro.
Neste momento,
Um Desejo
Que a partir de hoje
Não seja apenas e só mais um ano
E sim
Tempo de mudança
Para a Consciência
De que devemos
Podemos
E temos
A Obrigação
De sermos
Humanos de Verdade.
Esqueçam as palavras
Datadas
Programadas
Bonitas
Ou recomendadas
Sintam bem dentro do Vosso Coração
A Razão da existência
A consciência
De que nada tem valor
Se o valor não tiver Alma.
Acredito
Que mesmo que quem não acredita
Que a Vida é mais do que ter
Não conseguirá,
Por momentos esquecer
o Sofrer.
É na hora da obrigatória alegria
Que se deve Olhar
E reflectir.
Peço perdão
Se não escrevo algo lindo,
Maravilhoso e de festa
Mas não consigo deixar de Ver
O que não presta.
Assim sou.
Não consigo ter alegria
Quando o Mundo sofre
Apesar de em cada hora
Transformar a noite em dia
Mantendo a esperança
De rumarmos à verdadeira Alegria
E acreditarmos de verdade
Na luz da consciência

Dina Ventura - "Only me" - 31 de Dezembro de 2010