terça-feira, 5 de outubro de 2010

Genuína força do âmago

Sei de mim
num espaço perdido
numa cávea com as portas abertas
onde o espírito
está acorrentado
pela genuína força do âmago.

Não vislumbro o céu
e a terra foge da sola dos pés.

No centro da epiderme
um glaciar
de emoções, sentimentos
em combustão de edificações
que me enrugam o esqueleto
na longitude da razão
os olhos contemplam
o coração agarra na fúria
da ultima linha invisível
um sustento suspenso…

Nasce o fogo
fervilham as veias
neste abismo por onde tudo se esvai,
um absinto
que me engole e leva ao apocalipse…

1 comentário:

DelfimPeixoto disse...

Uma confusão de sentidos, não de sentimentos, provocada por toda esta angústia que nos apunhala.
Bj
Obrigado!